Facebook   Twitter  
 
Linha do Tempo  
Fundação do Sport Club Democrata, no dia 13 de fevereiro de 1932, em Figueira do Rio Doce, distrito do município de Peçanha (MG). As cores escolhidas para o clube foram o preto e o branco, com camisas de listras verticais. A grafia do nome era híbrida (inglês-português).
 
Neste ano o Democrata ganhou o apelido de Expresso do Vale, depois de vencer de forma espetacular todos os seus adversários, de cidades localizadas ao longo da Estrada de Ferro Vitória a Minas. O time imbatível era formado por Randolfo Brandão, Girú, Lauro, Osório, Pé Chato, Pão Velho, Taioba, Português, Valtinho Melo, Leônidas e Faete. O técnico era Tueu. Os destaques deste timaço eram o zagueiro Lauro, o atacante Faete (que depois jogou no América Mineiro e no São Paulo FC) e o melhor de todos, Valtinho Melo. Quem o viu jogar diz que ele era um jogador completo.
 
 
Em 31 de dezembro de 1947, a diretoria do Esporte Clube Democrata, formada por Dilermando Rodrigues de Melo, Francisco Terra Neto, Hermírio Gomes da Silva, Adroaldo Monte Alto, Raul Monte Alto, Francisco Terra Júnior, Lauro Andrade, Apgaua Filho e Hermínio Oliveira Morgan, aprovou o primeiro Estatuto do Clube e o Regimento Interno, durante Assembléia Geral realizada nesta data. Em 10 de janeiro de 1948 os documentos foram registrados no Cartório de Registro de Títulos e Documentos, do tabelião Castor Amaral.
 
"Artigo 1o - Fica o prefeito municipal autorizado a fazer doação ao Esporte Clube Democrata, associação esportiva desta cidade, para instalação de sua praça de esportes, um terreno constituíto pelos quarteirões 59 e 147 da planta primitiva da cidade, com área de 22 mil metros quadrados, parcialmente circundado por muro e conhecido pela denominação Cemitério Novo, abrangendo 47 lotes e mais 4 que resultaram do fechamento da rua 394". Este é o artigo I, do Decreto No 50, assinado pelo prefeito de Governador Valadares, Dilermando Rodrigues de Melo, em 19 de fevereiro de 1949, doando ao Democrata o terreno onde atualmente está localizado o Estádio José Mammoud Abbas.
 
Inauguração do Estádio José de Magalhães Pinto, atual José Mammoud Abbas. As obras foram iniciadas em 1962 quando o Democrata fez uma campanha para a venda das cadeiras cativas. Em 1962 foram feitas as fundações e no decorrer do ano de 1963 foram construídas as estruturas de concreto armado para as arquibancadas e setor de cadeiras da Rua Osvaldo Cruz. Como acontece em todas as obras em que o construtor não tem dinheiro para dar um andamento satisfatório ao ritmo de construção, a diretoria do Democrata enfrentou sérias dificuldades para concluir o lance de arquibancadas.
 

Obras de construção do Mamudão, em 1963. O Estádio receberia o nome do governador de Minas Gerais, José de Magalhães Pinto. Só na década de 1980 passou a se chamar José Mammoud Abbas, em homenagem ao presidente que o construiu.
 
Em 1969, o Democrata participou do Torneio Centro-Sul, promovido pela Confederação Brasileira de Desportos (CBD), entre 21/09/1969 e 20/11/1969. Participaram do torneio a Associação Desportiva Ferroviária Vale do Rio Doce (ES), Americano Futebol Clube (RJ), Anápolis Futebol Clube (GO), Clube Esportivo Operário Varzeagrandense (Cuiabá), Mixto Esporte Clube (Cuiabá), Rio Branco Atlético Clube (ES), Sport Club Internacional (Santa Maria, RS), Barra Mansa Futebol Clube (RJ), Juventus Atlético Clube (RS), Novo Hamburgo (RS), Avaí Futebol Clube (SC) e Ipiranga Atlético Clube (GO).

O grupo do Democrata tinha Barra Mansa, Americano (RJ), Desportiva Ferroviária, Rio Branco, fazendo os seguintes jogos: Barra Mansa 5 x 0 Democrata, Desportiva Ferroviária 0 x 0 Democrata, Rio Branco 1 x 0 Democrata, Democrata 1 x 0 Barra Mansa, Democrata 3 x 3 Americano, Desportiva 1 x 0 Democrata, Rio Branco 2 x 0 Democrata. Este torneio não foi concluído, de acordo com o relatório anual da CBD, de 1969.

Os atletas inscritos pelo Democrata nesta competição foram: Altair Antunes da Silva, Antonio Santos do Nascimento, Antonio de Oliveira, Bolivar Cario de Magalhães, Erilson Coutinho, Eduardo Oliva, Elei Geraldo Rodrigues, Francisco das Chagas Silva, José Carlos Gomes, Juarez Salles, Laerte Pereira, Luciano de Oliveira, Luiz Alves Lopes, Mauro Eustáquio dos Santos, Mauro Vargas, Mihayjlo Schingiry, Natalino Pereira da Costa Batista, Ricardo Roberto Santos, William José Ferreira, Wellington Francisco Alves da Cunha e Walter Cardoso dos Santos.

A primeira participação do Democrata no Campeonato Mineiro de Profissionais aconteceu em 1969, após a FMF extinguir a divisão especial e a primeira divisão em 1968, criando a divisão extra. O Democrata foi convidado a participar desta divisão. Tupi e o Sete de Setembro também foram convidados pelo presidente da FMF à época, o Coronel José Guilherme.

Os jogadores que disputaram esta competição foram: Jota (André), Mario Brito, Juci, Elci, Itamar, Alemão, Pinduca (Nogueira), Dé (Alexandre) (Luizinho), Marreco (Alfredo) (Wellington), Vignatti (Coutinho) (Antoninho) e Crispim. Técnico: Henrique Frade.
 
As obras de iluminação do Estádio Magalhães Pinto, atual José Mammoud Abbas, foram inauguradas no dia 16/11/1976 com dois jogos. Na preliminar, o Tabajara, de Galiléia, venceu o Democrata por 1 x 0. No jogo principal, debaixo de muita chuva, Cruzeiro de Belo Horizonte e América do Rio empataram em 0 x 0. Quem viu este jogo garante que foi um jogaço. O Cruzeiro jogou com Raul, Nelinho, Moraes, Darci Menezes e Mariano. Valdo, Ronaldo, Eli, Lívio, Roberto César (Silva), Joãozinho (Arthur). Técnico: Zezé Moreira. O América jogou com País, Sued, Alex, Biluca e Álvaro. Ivo, Bráulio, Reinaldo, Ailton. Jarbas e Gilson Nunes. Técnico: Admildo Chirol

A iluminação do estádio resolveu um problema antigo do Democrata, que não podia mandar os jogos no seu campo caso a FMF os marcasse para o horário noturno. Em 1969, quando participou da divisão extra do Campeonato Mineiro de Profissionais, o Democrata teve de fazer os jogos noturnos no Estádio Armando Vieira, do C.A. Pastoril.
 
O Democrata contrata Hércules Brito Ruas como técnico. Brito integrou a Seleção Brasileira de Futebol que conquistou o Tricampeonato Mundial no México em 1970, jogando com Félix, Carlos Alberto, Everaldo, Clodoaldo, Gerson, Rivelino, Jairzinho, Tostão e Pelé.
 

O primeiro título do Democrata como time de futebol profissional, foi o de Campeão da Taça Minas Gerais, após vencer o Uberlândia por 2 x 1. O técnico era Yustrich, que na foto aparece fazendo a sua preleção no gramado do Mammoud Abbas. No jogo que decidiu o título da Taça Minas Gerais, realizado no dia 28/11/1981, o Democrata venceu o Uberlândia por 2 x 1. O Democrata começou perdendo, mas no vira-vira, o cabeludo Antonio Carlos marcou dois golaços e entrou para a história. O time campeão jogou com Serginho, Fausto, Fred, Darci Menezes e Ferreira. Naves (Nino), Dirceu (Jairo), Antônio Carlos. Batistote, Ziquita e Faísca. Na foto acima, Ziquita, que é ídolo não só dos democratenses, como dos torcedores do Atlético Paranaense, é o primeiro à direita.
 
Em 1981, o estádio José Mammoud Abbas recebeu obras que aumentaram a sua capacidade de público, com a inauguração das arquibancadas metálicas e arquibancadas de concreto atrás do gol da Rua Afonso Pena. Na inauguração, o Democrata recebeu um visitante ilustre, o presidente da FIFA, João Havellenge, que aparece na foto com o presidente do Democrata Almyr Vargas de Paula. Além dele, vieram os times de Vasco e Flamengo, que disputaram a Taça João Havellange, em um torneio triangular.
 

No primeiro jogo, em 10/05/1981, Democrata e Flamengo empataram em 2 x 2. Chiquinho abriu o placar para o Flamengo aos 5 minutos do primeiro tempo. Claudinho empatou aos 13. No segundo tempo, Ziquita desempatou aos 22 minutos, mas Tita empatou novamente aos 31.

Democrata – Serginho, Fausto, Fred, Darci Menezes e Ferreira. Norberto (Nino), Dirceu e Jairo. Batistote, Ziquita e Claudinho (Edevaldo). Flamengo – Raul, Leandro, Rondinelli, Marinho (Mozer) e Carlos Alberto. Andrade, Carpegiani (Júlio César e Peu). Tita, Chiquinho, Nunes e Baroninho.

No segundo jogo, em 13/05/1981, o Democrata perdeu para o Vasco por 3 x 2. Jairo abriu o placar para o Democrata aos 16 minutos do primeiro tempo. Guina empatou aos 33. No segundo tempo, Marquinhos fez 2 x 1 para o Vasco aos 9 minutos. Aos 12, Jairo empatou, mas Silvinho, aos 15, fez o gol da vitória do Vasco.

Democrata – Serginho, Fausto, Fred, Darci Menezes e Ferreira. Norberto (Nino), Dirceu e Jairo. Batistote, Ziquita e Claudinho (Julinho). Vasco – Mazzaropi, Rosemiro, Orlando Lelé, Léo e Brasília. Serginho, Guina e Ticão. Catinha, Silvinho e Marquinhos.

O Vasco foi o Campeão do Torneio João Havellange e a taça foi levada para sala de troféus de São Januário. Na partida final, o Vasco venceu o Flamengo, por 1 x 0. Neste torneio, Roberto Dinamite e Zico, as duas maiores estrelas de Vasco e Flamengo não vieram porque estavam servindo a Seleção Brasileira. O lateral esquerdo Júnior também estava convocado pela Seleção e não veio. Mesmo assim, a inauguração das metálicas e das arquibancadas de concreto atrás do gol da Rua Afonso Pena foi muito prestigiada pelos torcedores que viram belos jogos, com os melhores jogadores brasileiros da década de 1980.
 

Baroninho e Paulo César Carpeggiani dão combate ao atacante do Vasco. Leandro acompanha a jogada pela esquerda. Neste jogo o Vasco foi o vencedor.
 
Em setembro de 1985, chega a Governador Valadares, para ser técnico da Pantera, o ex-lateral esquerdo do Flamengo, Vanderley Luxemburgo, que estava iniciando sua carreira como técnico de futebol. Na foto ele aparece de óculos escuros entre o presidente Ubirajara Pinheiro e o supervisor de futebol Darci Menezes, observando um treino da Pantera do setor de cadeiras do Mamudão.
 
 
Depois de ser rebaixado para a segunda divisão em 1987, o Democrata disputou a segundona para voltar à primeira divisão. E conquistou a segunda vaga. A primeira ficou com o Flamengo, de Varginha. O time vice-campeão era formado por Robson, Borges, Coqui, Luiz Carlos Hippie e Bartô. Japonês, Mauro Botelho e Naldo. Castro, Nequinha e Robertinho. Neste ano foi fundada a Torcida Organizada Pantera Cor-de-Raça, a maior torcidada organizada do interior de Minas e que em 1991 levaria o Democrata à conquista do vice-campeonato mineiro.
 
A melhor participação do Esporte Clube Democrata na história do Campeonato Mineiro merece ser lembrada. Tendo como técnico o ótimo José Maria Pena, a Pantera decidiu o título no Mineirão, contra o Atlético Mineiro, no dia 11/12/1991. Perdeu por 2 a 0, sofrendo gols de Ailton e Zé Carlos. Confira a campanha do Demo.
 
04/08 - Democrata 1 x 1 Atlético
11/08 - Ribeiro Junqueira 0 x 3 Democrata
18/08 - Ipiranga 0 x 0 Democrata
25/08 - Democrata 1 x 0 Flamengo
01/09 - Valério 0 x 0 Democrata
04/09 - Juventus 3 x 1 Democrata
08/09 - Democrata 3 x 1 Democrata-SL
15/09 - Atlético 0 x 0 Democrata
22/09 - Democrata 1 x 1 Ribeiro Junqueira
29/09 - Democrata 1 x 1 Ipiranga
06/10 - Flamengo 0 x 1 Democrata
13/10 - Democrata 3 x 0 Valério
17/10 - Democrata 1 x 1 Juventus
20/10 - Democrata-SL 1 x 1 Democrata
27/10 - Cruzeiro 2 x 0 Democrata
03/11 - Atlético 2 x 0 Democrata
10/11 - Esportivo 0 x 0 Democrata
17/11 - Democrata 1 x 0 Rio Branco
21/11 - América 1 x 1 Democrata
24/11 - Democrata 3 x 0 América
27/11 - Democrata 2 x 1 Cruzeiro
01/12 - Democrata 3 x 0 Esportivo
08/12 - Rio Branco 2 x 2 Democrata
11/12 - Atlético 2 x 0 Democrata

O Democrata fez uma bela campanha em 1991. Jogou 24 partidas, ganhou 9, perdeu 4 e empatou 11 vezes. Gilmar Estevan foi o artilheiro da competição com 14 gols.
 
Ao se sagrar vice-campeão mineiro em 1991, o Democrata conquistou uma vaga para disputar a Copa do Brasil e foi o primeiro clube do interior de Minas a disputar esta competição organizada pela CBF. A Pantera jogou contra o Paraná Clube e empatou em 1 a 1, em Valadares (28/07/1992), mas perdeu por 2 a 1, em Curitiba, (18/08/1992).
 
Em 1993, o Democrata manteve a hegemonia no futebol do interior e se sagrou Tricampeão Mineiro do Interior, sob o comando do técnico Brandãozinho. Nesta foto, o time posou com as faixas do Tri: Ló (Roupeiro), Rainer Faria (Preparador Físico), Paulão, Sílvio, Toninho, Borges, Hudson, Jackson Borges, Lobão, Euler, Brandãozinho (Técnico), Elias (Enfermeiro), Dr. João Eustáquio Guimarães (Médico), Darci Menezes (Supervisor). Agachados: Pedrinho, Jackson Pastor, Mauro Botelho, Edmilson, Robertinho, João Paulo, Vandinho, Getúlio (Massagista) e Luiz Eduardo (Preparador de goleiros).
 
 
Em 1994, o América, que tinha sido suspenso pela CBF, teve de ceder sua vaga na Série B para o Democrata. O Democrata conquistou esta vaga por ser a principal força do futebol no interior de Minas. Mas a campanha da Pantera foi abaixo da crítica. Em 20 partidas, o time venceu duas e empatou sete.
 
A Pantera disputou pela segunda vez a Copa do Brasil em 1995. Na fase preliminar, o Democrata venceu o Goiás por 2 x 0 no Mamudão. No jogo de volta, no Serra Dourada, perdeu por 1 x 0 e se classificou para a fase seguinte, pegando o Vitória (BA), em um dos melhores jogos de sua história. Venceu os baianos por 3 x 2 no Mamudão. Na partida de volta, no Barradão, o Vitória venceu por 2 x 0 e eliminou o Democrata. Neste mesmo ano, o Democrata participou novamente do Campeonato Brasileiro da Série B, mas foi rebaixado para a Série C, somando apenas 5 pontos em 10 partidas.

Em 1995 o Democrata disputou o Campeonato Mineiro com um time comandado pelo técnico José Ângelo, que não apareceu na foto ao lado onde estão: Ló (Roupeiro), Fábio Júnior, Tico Mineiro, Adilson, Serginho, Marco Túlio, Lúcio, e Paulo Henrique. Getúlio Anacleto (Massagista), Walber, Elizeu, Marquinhos, Nelsinho e Roniê. No destaque ao lado, Serginho, um dos melhores zagueiros da Pantera e que morreu dentro de campo, no dia 27/10/2004, na partida entre São Caetano e São Paulo. Valeu, Serginho! A Cor-de-Raça sempre reconheceu a sua vontade e sua raça com a camisa do Demo.
 
 

O Democrata sagrou-se campeão do Campeonato Mineiro de Juniores. A Panterinha jogou 20 jogos, conquistou 12 vitórias, empatou 4 jogos e perdeu 4. O time se manteve invicto nos jogos realizados no Estádio José Mammoud Abbas e conquistou pontos importantes jogando fora de casa. Veja como foi a campanha da Panterinha no quadro abaixo. Na foto da página 144, os campeões: Silvio (Preparador de goleiros), Reinaldo, Roberto Ramalho (Preparador Físico), Thiago, Weldes, Diego, Romeu, Waguinho (Roupeiro), Mauricio Marques (Preparador Físico), Getúlio (Massagista), Guilherme, Enes, Marcorélio, Adriano, Ernane, Dim (Mascote) e Elbinho.

PRIMEIRA FASE
25/08 - Democrata 2 x 0 Mamoré
31/08 - Athletic 0 x 2 Democrata
08/09 - Democrata 4 x 0 Atlético/MG
10/09 - Democrata 1 x 0 M. Claros
14/09 - Luziense 1 x 2 Democrata
21/09 - Mamoré 0 x 0 Democrata
24/09 - Democrata 1 x 0 Athletic
27/09 - Atlético/MG 1 x 0 Democrata
01/10 - M. Claros 0 x 0 Democrata
06/10 - Democrata 2 x 2 Luziense
FASE FINAL
11/10 - América 0 x 0 Democrata
20/10 - Democrata 1 x 0 URT
25/10 - Cruzeiro 2 x 0 Democrata
29/10 - Democrata 1 x 0 Atlético
02/11 - Valério 1 x 2 Democrata
10/11 - Democrata 1 x 0 Valério
15/11 - Atlético 2 x 0 Democrata
19/11 - Democrata 2 x 1 Cruzeiro
23/11 - Democrata 2 x 1 América
30/11 - URT 2 x 1 Democrata
 
Em 2005, o Democrata se sagrou Campeão Mineiro do Módulo II 2005, vencendo o Rio Branco por 2 x 1 no Estádio José Mammoud Abbas. O jogo valeu uma vaga para a disputa do Campeonato Mineiro da primeira divisão em 2006. O Democrata jogou com Cláudio Santos, Edson, Geovani, Fabrício Soares, Araújo, Wendel, Geraldo (Julio César), André, Alvinho (Fabrício Lima), Biro Gomes e Edmundo. Técnico: José Maria Pena. Gols: Giovani, aos 36 minutos, e Edmundo, aos 10 minutos da etapa final. Rincão, aos 45, descontou para o Rio Branco.
 
Em 2007, o Democrata fez uma parceria com o Clube Atlético Mineiro para empréstimo de jogadores e comissão técnica. O time ficou em 3º lugar na classificação geral do Campeonato Mineiro e se sagrou pentacampeão do interior, garantindo a sua participação no Campeonato Brasileiro da Série C de 2007 e na Copa do Brasil de 2008. Na Série C, o Democrata integrou um grupo com Villa Nova (MG), Juventus (SP) e Madureira (RJ). Na segunda fase, classificaram-se Villa Nova (MG) e Democrata. O Democrata foi eliminado na segunda fase, num grupo que contava com Roma (PR), Bragantino (SP) e Esportivo (RS). Neste campeonato, os dois jogos contra o Bragantino merecem destaque. O Democrata perdeu em Bragança Paulista por 1 x 0, com um gol no último minuto do jogo. Em Governador Valadares, fez um jogo memorável. Após estar perdendo por 3 x 0, o Democrata virou o jogo e venceu por 5 x 3.
 
Em 2008, o Democrata disputou a Copa do Brasil pela terceira vez. Fez dois jogos contra o Bragantino. No primeiro, no Mamudão, venceu por 3 x 2. No jogo de volta, em Bragança Paulista, perdeu por 2 x 1.

«Voltar
HOME - CLUBE - ( Cidade | Diretoria | Hino | Historia | Mascote | Títulos | Linha do Tempo | Equipe de Trabalho | ) IMPRENSA - ( Notícia | ) ELENCO - JOGOS - ESTÁDIO - FAQ - MULTIMÍDIA - ( Fotos | Vídeos | Mural de Recados | ) FALE CONOSCO - CREDENCIAMENTO -